ESTA NOITE IMPROVISA-SE de Luigi Pirandello

estanoiteimprovisase_a ESTA NOITE IMPROVISA-SE de Luigi Pirandello
Tradução
Luís Miguel Cintra e Osório Mateus Com António Simão, Cândido Ferreira, Lia Gama, Sílvia Filipe, Pedro Lacerda, Alexandre Ferreira, Andreia Bento, Cecília Henriques, João Meireles, John Romão, Pedro Luzindro, Sara Belo, Victor Gonçalves, Crista Alfaiate, João Miguel Rodrigues, Joaquim Pedro, Alexandra Viveiros, Luís Godinho / Pedro Carraca, Miguel Telmo, Miguel Aguiar, Carlos Marques, Jéssica Anne, João Abel, António Rodrigues, Ricardo Batista, Sara Moura, Vânia Rodrigues, e os músicos Antóniopedro, João Cabrita / Elmano Coelho, Miguel Tapadas e Vitor Ilhéu Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Assistência de Cenografia João Prazeres Assistência de Figurinos Helena Rosa Luz Pedro Domingos Direcção Musical Rui Rebelo Encenação Jorge Silva Melo assistido por João Miguel Rodrigues e Luís Godinho

Uma produção Teatro Nacional D. Maria II/Artistas Unidos
Estreia a 5 de Março no Teatro Nacional D. Maria II

Esta Noite Improvisa-se
Com Seis Personagens à Procura de Autor (1921) e Ciascuno a suo modo (1924) ,  Esta Noite Improvisa-se (1930) conclui a  trilogia do "teatro no teatro" de Pirandello, que, instalando a dúvida no cerne do discurso,   revolucionou para sempre o modo de representação no palco.
Aqui parte-se de um encenador que, perante os espectadores de uma estreia, propõe aos seus actores uma improvisação a partir de uma pequena novela de Pirandello, Leonora, Addio! Será esse o ponto de partida de um labirinto barroco de dúvidas, incertezas, sentimentos opostos, contradições, lutas, discussões, insultos, explosões irracionais, um carrossel da vida. Tudo a partir do sufocante dia-a-dia de uma vila de província, onde os sonhos são reprimidos e a sexualidade explode - e com ela o ciúme, “e o mais terrível de todos: o ciúme do passado”.
Mas o que é Esta Noite Improvisa-se, peça onde já se viu uma dilacerante meditação sobre a importância crescente do encenador, critica que seria feita a Max Reinhardt quando ele dirigiu em Berlim as Seis Personagens? Ou uma inquietante meditação sobre a dúvida, a incerteza, o boato, a aparência? Pois que acontece quando a vida faz rebentar as paredes da forma, quando o teatro começa depois do texto escrito pelo Autor?  Se a única verdade da vida é a inesperada aparição da Morte (a de Mommina, aqui; como o suicídio do menino em Seis Personagens), que faz disso o teatro?
Estamos aqui na triste história da família La Croce, família pequeno-burguesa de uma cidadezinha de província, com a sua mãe casamenteira, filhas casadoiras, resignado pai que se entrega a delírios extra-conjugais, rapazes de arribação. E a vida que se fecha para a mais abnegada das quatro filhas da família La Croce, essa Mommina que sonhava vir a cantar Verdi nos grandes teatros e acaba fechada em casa, na tremenda teia de ciúmes que sobre ela foi construindo o marido, o tenebroso Rico Verri?
E a vida, o que foi, a não ser um sonho, dirá Pirandello, um sonho de teatro?

estanoiteimprovisase_bMOMMINA Vou agora mostrar-vos, o teatro! Primeiro vou dizer-vos como é.Uma sala, uma sala grande, com muitas filas de camarotes em redor, cinco, seis filas cheias de lindas senhoras elegantes, com plumas, jóias, leques, flores; e senhores de fraque com pérolas no plastron e gravata branca; e muita gente, muita, nas poltronas vermelhas da plateia; um mar de cabeças; e luzes, luzes por todo o lado; um lustre no meio que parece cair do céu e que parece ser todo de diamantes; uma luz que encandeia, que inebria como não podem imaginar; e um rumor, um movimento; as senhoras a conversar com os cavalheiros, a cumprimentarem-se de camarote para camarote, uns sentados na plateia, outros a olhar pelo binóculo... aquele de madrepérola que eu vos dei para verem os campos... aquele... levava-o eu, levava-o a vossa mamã quando ia ao teatro, e olhava ela também, naquele tempo... De repente as luzes apagam-se. Ficam acesas apenas as luzinhas verdes da orquestra que está na frente da plateia por baixo do pano de boca; os músicos já lá estão, tantos, tantos, a afinar os instrumentos; e o pano de boca é uma cortina mas grande e pesada, de veludo vermelho e franjas de ouro, uma magnificência; quando se abre... o maestro já entrou com a batuta para dirigir os músicos... começa a ópera: vê-se o palco que é uma floresta, ou uma praça, ou um palácio; e a tia Totina entra para cantar com os outros enquanto toca a orquestra... É isto o teatro... Mas antes, antes era eu quem tinha a voz mais bonita...

Toda a obra se desenvolve numa despudorada relação entre os espectadores e os actores. Discussões sobre encenação, dúvidas dos intérpretes, escolhas do director, tudo isto se desenrola diante dos espectadores, tal como as mudanças de cena, efeitos de luz, numa espécie de girândola de efeitos que anuncia a ficção da realidade.

PIRANDELLO: a interminável especulação
estanoiteimprovisase_c1. Uma noite, na estreia em Berlim das Seis Personagens na extraordinária encenação de Klaus Michael Grüber, disse-me Titina Maselli, que fizera o cenário (e, da família Portulano, era sobrinha do Autor): “Pirandello era um homem da província, um siciliano, daqueles que gostam de estar sentados a especular sobre os vizinhos, dando ouvidos a rumores, boatos, calúnias, versões diferentes, mais interessado em efabular a partir de indícios do que em fixar a realidade, era o contrário do detective, não procura a verdade, entretêm-se com o fogo de artifício das aparências”. Talvez tenha sido esta conversa à porta da Freie Volksbühne no já tão distante ano de 1980, que me tenha feito (há tantos anos) tentar fazer as peças de Pirandello, sobretudo as assim chamadas do “teatro dentro do teatro”, o  Esta Noite Improvisa-se e as Seis Personagens.

2. Como passaria hoje Pirandello diante dos quiosques de revistas, onde realidade e ficção se misturam sem fronteiras, como veria ele hoje esta omnipresença dos media onde deixamos de saber se a gravidez da actriz é a da personagem, onde não sabemos distinguir o marido do amante do companheiro de profissão, o que diria ele daqueles concursos de espiolhagem da “vida real” com que há anos as nossas noites se obscurecem, nesta aceleração de informações que logo se somem no esquecimento? “Como tu me queiras” diz uma das personagens mais célebres de Pirandello, efabulador intranquilo.

3. Voltar a Pirandello hoje é voltar a questionar os limites da ficção e as suas possibilidades. Agora que parece ter voltado a instalar-se a “peça bem feita” da tradição anglo-saxónica, agora em que há ficções que vendem a “explicação” do real, é importante voltarmos a ver os cacos, os fragmentos, a impossibilidade, os muitos escolhos em que tropeça a narrativa e a brecha sangrenta que Pirandello abriu no tal céu de papel, ferida por cicatrizar ( e Freud andava por lá, como por cá os heterónimos de Pessoa, rebentando identidades e consciências).

4. O que me interessa ao voltar a Pirandello é voltar ver o palco como o lugar da incerteza. Incerteza psicológica, narrativa, social, desequilíbrio sobre a qual se ergue a permanente, ininterrupta, imperiosa necessidade de voltar a contar histórias, de efabular, de especular.

5. Porque temos medo de estar sozinhos na noite, perante os cacos da vida, ou não é por isso que nos juntamos no teatro?
Jorge Silva Melo (Lisboa, Setembro de 2008)

Teatro da Politécnica

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.ticketline.sapo.pt, Fnac, Worten, C. C. Dolce Vita, El Corte Inglês, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, Lojas Viagens Abreu e INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

jardim zoologico de vidro 10 prog JARDIM ZOOLÓGICO DE VIDRO
Em Estarreja, no Cine-Teatro de Estarreja a 2 de Dezembro
Em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes a 8 de Dezembro
a voz dos poetas prog A VOZ DOS POETAS
Na Biblioteca da Imprensa Nacional
5 de Fevereiro de 2018: Alberto de Lacerda por Jorge Silva Melo e Nuno
2 de Abril de 2018: Adolfo Casais Monteiro por Jorge Silva Melo e Luís Lucas
9 de Maio de 2018: Gomes Leal por Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg
a arte em imagens 1 A ARTE DAS IMAGENS
De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.

Livrinhos de Teatro

assinaturas 2018 fundo

Assinaturas Livrinhos de Teatro 2018

Assinar »»

Subscrever Newsletter