A NOVA ORDEM MUNDIAL de Harold Pinter

novaordemmundial_a A NOVA ORDEM MUNDIAL de Harold Pinter
Tradução Paulo Eduardo Carvalho Com Paulo Moura Lopes, Pedro Marques e Hugo Samora Cenografia José Manuel Reis Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo
Uma produção Artistas Unidos

Estreia no Teatro Taborda a 24 de Junho de 2005, com leitura de GUERRA de Harold Pinter.

Os Artistas Unidos voltaram a trabalhar este texto em 2010, integrando-o no espectáculo COMEMORAÇÃO/A NOVA ORDEM MUNDIAL ante-estreado no Teatro Aveirense a 6 de Maio de 2010.

A NOVA ORDEM MUNDIAL de Harold Pinter Tradução de Paulo Eduardo Carvalho com Nelson Boggio, Rúben Gomes, João Delgado e Elmano Sancho Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo Assistência de encenação João Miguel Rodrigues e Alexandra Viveiros
Co-produção Artistas Unidos/ CCB

Ante-estreia no Teatro Aveirense a 6 de Maio de 2010

O texto está editado no Teatro II de Harold Pinter, Relógio d´Agua

Dois soldados, um homem vendado, uma tortura. Para ensinar a democracia. Um skecth de Harold Pinter seco, duro, elíptico: estamos onde? Na América Latina torturando um teólogo da libertação? Em Abu Ghraib?

Os discursos que ouvimos indicam-nos aquilo que nós não ouvimos. É uma evasão necessária, uma cortina de fumo violenta, enganosa e sofredora ou apenas escarnecedora daquilo que mantém o outro no seu lugar certo. Quando um silêncio verdadeiro se abate ficamos apenas com o eco e mais perto da nudez. Uma das maneiras de se olhar para o discurso é a de se dizer que ele é um estratagema constante para escondermos a nudez.
Harold Pinter

Finalizando a sua permanência no Teatro Taborda, os Artistas Unidos regressam a Harold Pinter e à sua intervenção política com a leitura dos poemas de GUERRA (edições Quasi) na tradução de Pedro Marques, Francisco Frazão e Jorge Silva Melo.

novaordemmundial_bChegando à cena teatral quase uma década depois da Segunda Guerra Mundial, Harold Pinter é um dos quatro mais famosos dramaturgos britânicos que mudaram a face do teatro convencional numa fase pós-Beckett, pós-angry young men, do mundo Britânico e mundial. Escrevendo ao mesmo tempo que Tom Stoppard, Peter Shaffer e David Hare, Pinter trouxe uma sensibilidade muito diferente ao teatro, que o distingue por ter tido uma contribuição única para o modo como o teatro é praticado. Se Stoppard agradava ao público com convenções que mudavam constantemente e um uso livre e agreste da linguagem, Shaffer trouxe uma saudável vibração naturalista ao teatro, e Hare nos mostrou uma nova politização do teatro, Pinter transformou a fundamental ferramenta do teatro: o próprio texto, e ainda mais do que o texto, a linguagem que até aí nunca tinha sido usada no teatro. Nas suas peças, a comunicação convencional entre as pessoas foi substituída pelo peso do não-dito e do terrível. (...) ‘A NOVA ORDEM MUNDIAL’ – uma “curta sátira sobre a Guerra do Golfo,” – é uma peça de dez minutos cujo título é tirado de uma das frases de George Bush. Retrata uma desnecessária tortura perpetrada por dois homens a um inocente. Numa pequena sala, dois guardas discutem o que devem fazer à vítima que permanece sentada em silêncio e de olhos vendados à sua frente. Enquanto os torturadores jogam jogos com a vítima vendada, eles aumentam a apreensão do prisioneiro em relação à sua possível tortura. No fim parece que o inocente ou foi levado à loucura ou então capitulou diante da autoridade. A nova ordem mundial reduziu todos os dissidentes ou a individualidade a uma conformidade cega. Tirando os protestos políticos, pode-se muito bem argumentar que todo o trabalho de Pinter é contra a monotonia, chatice e os rituais inanes a que os seres humanos normalmente reduzem as suas vidas, e pelo menos ao nível do indivíduo, isto tem não só importância política como revolucionária.
Mahmood Farooqui

Teatro da Politécnica

ARTISTA DO MÊS fevereiro 18 prog ARTISTA DO MÊS
Maria Bernardino
9anos depois prog 9 ANOS DEPOIS a partir da Ilíada
de 13 a 17 de Fevereiro
dramaticulos prog DRAMATÍCULOS
de 22 a 24 de Fevereiro
O Teatro da Amante Inglesa prog O TEATRO DA AMANTE INGLESA
de 7 de Março a 14 de Abril

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.ticketline.sapo.pt, Fnac, Worten, C. C. Dolce Vita, El Corte Inglês, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, Lojas Viagens Abreu e INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

O GRANDE DIA DA BATALHA prog O GRANDE DIA DA BATALHA variações sobre o ALBERGUE NOCTURNO de Máximo Gorki
No Teatro Nacional D. Maria II de 18 de Janeiro a 25 de Fevereiro
fernando lemos prog FERNANDO LEMOS - Como, não é retrato?
Na Sala Polivalente do Museu Calouste Gulbenkian a 15 de Fevereiro às 18h30
fragil 1 prog FRÁGIL
Em Ponte de Sôr, no Teatro da Terra a 17 Fevereiro
Em Évora, n'A Bruxa Teatro a 2 de Março
Em Sobral de Monte Agraço, no CineTeatro Sobral a 28 de Abril
a voz dos poetas prog A VOZ DOS POETAS
Na Biblioteca da Imprensa Nacional
2 de Abril - Adolfo Casais Monteiro por Jorge Silva Melo e Luís Lucas
9 de Maio - Gomes Leal por Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg
EM VOZ ALTA prog EM VOZ ALTA os nossos poetas

Livrinhos de Teatro

capa114

SEM ALARDE
de Owen McCafferty
Livrinhos de Teatro nº114 Artistas Unidos/Cotovia

Livraria online »»

Subscrever Newsletter