O AMANTE de Harold Pinter

o_amante_a AMANTE de Harold Pinter
Tradução Pedro Marques Com Gracinda Nave, Marco Delgado e Pedro Carraca  Cenografia e figurinos Rita Lopes Alves, Isabel Nogueira e José Manuel Reis Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo
Uma produção Artistas Unidos/Culturporto.
Estreia Rivoli - Teatro Municipal, 19 de Janeiro de 2002
Espaço A Capital, 24 de Janeiro de 2002
O texto está publicado no volume TEATRO I de Harold Pinter (Ed. Relógio d´Água)

o_amante_bEscrita originalmente para televisão, O AMANTE foi teledinfundida em Março de 1963 com Alan Badel e Vivien Merchant. Nesse mesmo ano, em Setembro, estreou no Arts Theatre juntamente com The Dwarfs com encenação de Harold Pinter, assistência de encenação de Guy Vaesen e o seguinte elenco: Richard - Scott Forbes; Sarah - Vivient Merchant; John - Michael Forest.. Podemos dizer que se trata da primeira incursão de Pinter no labrinto das relações eróticas que irá desenvolver em textos posteriores como HÁ TANTO TEMPO (Old Times), TRAIÇÕES e CINZA ÀS CINZAS. A sua estreia em Portugal ocorreu em 1992 numa tradução, encenação e interpretação de Diogo Infante na Sala Experimental do Teatro da Trindade.

Uma relojoaria diabólicamente devastadora. Aqui Pinter trata do homem sozinho, perante a sociedade. Fala-se aqui da solidão, do medo dos outros escondido atrás de uma máscara irónica ou agressiva. E as personagens têm de se compreender tal como são: incapazes de se compreender e de se encontar. O teatro de Harold Pinter revela um universo singular, cómico e aterrador, feito de sub-entendidos, mal-entendidos ou puros equívocos. Nele observa-se, como se fosse ao microscópio, personagens que vegetam confusamente, de quem quase nada se sabe e que, de repente, explodem num confronto em que as palavras são armas mortais. Estamos no reino do falso para se atingir uma verdade que é ainda mais falsa.
Eric Kahane

Tal como em grandes obras clássicas, o que aqui é tratado é o conflito entre uma humanidade dominada, socializada e uma outra, selvagem, guiada pelos instintos. Num registo miniatural, com elegância e um humor seco, estamos não na escala épica e vasta das "Bacantes" ou do "Balcão" de Genet mas no nível de um comédia subtil e intima.
Martin Esslin.

As personagens de Pinter exprimem exactamente aquilo que lhes vem à mente e muitas vezes emerge directamente do inconsciente. Pode acontecer que isso nada tenha a ver com a acção ou com o que acaba de dizer a outra personagem. Para dizer a verdade, não há diálogo.As personagens de Pinter só se revelam aos poucos e de uma maneira incompleta: esse é o trabalho do actor.
Mervyn Jones

O Amante é uma peça ardilosa. Começa em comédia de costumes, passa para a exploração de ilusões fetichistas que tanto podem aguentar um casamento como sugerir um esgotamento nervoso e finalmente faz a reconciliação entre a realidade e a fantasia. Com grande delicadeza, Pinter mostra como os ingleses de certa classe e tipo têm necessidade de dividir as mulheres em parceiras elegantes e putas transaccionáveis.
Michael Billington

Teatro da Politécnica

SNOB NA POLITÉCNICA prog SNOB NA POLITÉCNICA -
Feira do Livro

de 20 a 29 de Junho
prosopopeia prog PROSOPOPEIA
de 28 a 30 de Junho
NADA DE MIM prog NADA DE MIM
de 4 a 21 de Julho

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.bol.pt, Fnac, Worten, CTT, El Corte Inglês, Pousadas da Juventude, Serveasy, Pagaqui. Para INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

O Teatro da Amante Inglesa prog O TEATRO DA AMANTE INGLESA
Em Setúbal, no Fórum Luísa Todi a 29 de Agosto
EM VOZ ALTA prog EM VOZ ALTA os nossos poetas

Livrinhos de Teatro

capa115

O TEATRO DA AMANTE INGLESA
de Marguerite Duras
Livrinhos de Teatro nº 115 Artistas Unidos/Cotovia

Livraria online »»

Subscrever Newsletter