O SERVIÇO de Harold Pinter

o_servico_a O SERVIÇO (The Dumb Waiter) de Harold Pinter
Tradução Pedro Marques e João Saboga Com João Saboga e Vítor Correia Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves, Isabel Nogueira, José Manuel Reis Luz Pedro Domingos Um trabalho de João Saboga e Vítor Correia com a colaboração de Jorge Silva Melo e Pedro Marques

Estreia Festival de Portalegre, 24 de Outubro de 2001
Espaço A Capital/ Teatro Paulo Claro, 29 de Novembro de 2001

O texto está publicado no volume TEATRO I de Harold Pinter (Ed. Relógio d´Água)

THE DUMB WAITER é uma peça em um acto que Pinter escreveu em 1957. Duas personagens (Ben e Gus) que, num quarto, conversam: porque ainda é cedo. No passado houve outros serviços a fazer, outros quartos, outras esperas. Enquanto a tensão aumenta (assim como as situações cómicas e as possibilidades de violência), o ascensor da parede do fundo começa a funcionar. Este, o "dumb-waiter" do título original, traz as ordens enigmáticas de um andar superior da casa que, como de costume em Pinter, nunca se sabe de que tamanho é nem quem a habita.

o_servico_bA incapacidade - de Ben e Gus - para compreender o trabalho da organização a que pertencem, a frustração e a irritação encontram expressão na linguagem, carregada de dificuldades de interpretação. Eles são constantemente enredados em nós linguísticos que são incapazes de desatar. (.) O Serviço pode ser, finalmente, sobre a relação entre dois seres humanos, à semelhança de Godot. Há sempre um desejo de morte no fundo destas tensões insolúveis.
Martin Esslin, Pinter the Playwright

Acho que aquilo de que está a falar começou em O Serviço, que do meu ponto de vista é uma obra relativamente simples. A violência é mesmo só uma expressão da questão do domínio e da subserviência. Não chamaria a isto violência mas mais uma batalha por posições, é uma coisa muito vulgar, de todos os dias.
Harold Pinter a Lawrence M. Bensky

"Parece absurdo? Não é. Em nenhum momento sentimos que aquilo não faça sentido: o que se sente, se se sente alguma coisa, é uma tremenda curiosidade de se saber mais."
José Couto Nogueira, O Independente, 28 de Dezembro de 2001

"O espectáculo segue com grande fidelidade e rigor o texto de Pinter, conseguindo recriar através de um discurso verbal e físico extremamente económico e eficaz o peso da peça, sem descurar a elegância que todos os textos de Pinter também têm."
João Carneiro, Expresso, 5 de Janeiro de 2002

Teatro da Politécnica

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.bol.pt, Fnac, Worten, CTT, El Corte Inglês, Pousadas da Juventude, Serveasy, Pagaqui. Para INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

fragil 1 prog FRÁGIL
Em Sobral de Monte Agraço, no CineTeatro Sobral a 28 de Abril
Em Sintra, no Chão de Oliva a 4 e 5 de Maio
Em Aveiro, no Teatro Gretua a 8 e 9 de Junho

o rapaz de ucello prog 1

O RAPAZ DE UCELLO ou aquilo que nunca perguntei ao Álvaro Lapa
No Porto, no Auditório de Serralves, 6 de Maio às 18h00

O Teatro da Amante Inglesa prog O TEATRO DA AMANTE INGLESA
Em Évora, n’A Bruxa Teatro a 11 e 12 de Maio
Em Alverca, no Teatro Estúdio Ildefonso Valério a 26 de Maio
Em Setúbal, no Fórum Luísa Todi a 29 de Agosto
a voz dos poetas prog A VOZ DOS POETAS
Na Biblioteca da Imprensa Nacional
7 de Maio - Gomes Leal por Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg
fernando lemos prog FERNANDO LEMOS - como? Não é retrato?
de Jorge Silva Melo
Na RTP2, 9 de Maio às 23h15
EM VOZ ALTA prog EM VOZ ALTA os nossos poetas

Livrinhos de Teatro

capa115

O TEATRO DA AMANTE INGLESA
de Marguerite Duras
Livrinhos de Teatro nº 115 Artistas Unidos/Cotovia

Livraria online »»

Subscrever Newsletter