JESPER HALLE

jesper_aNasceu em 1956, em Oslo, onde vive actualmente. Desde 1984 que escreve para teatro, rádio e televisão, já tendo escrito mais de vinte peças. Nos últimos vinte anos tem vivido da escrita profissional. Escreve sempre materiais para serem representados - letras para canções, sketches cómicos, monólogos, teatro radiofónico, peças para marionetas, séries para televisão e peças para teatro. É no teatro que encontra o centro do seu trabalho. Enquanto os outros trabalhos são trabalho - divertido, bem pago, mas trabalho, escrever para teatro é, para Jesper Halle, amor. Já viu mais de dez das suas peças serem representadas, algumas mais do que uma vez. Trabalhou como dramaturgo no Det Åpne Teater por vários períodos de tempo. As suas principais peças são A Vida é uma Praia de Areia (1990), Patos Selvagens (1996), A Luz dos Dias (1996) - que recebeu o Prémio Ibsen em 1997, A Oeste do Paraíso (2000), 24 Noruegueses, A Mata (2002) - que recebeu o Prémio da Fundação Wilhelm Hansen para Melhor Nova Peça Nórdica e o Prémio Hedda, Os Filhos de Nora. Algumas das suas peças foram representadas fora da Noruega, na Suécia, em Nova Iorque estando neste momento a ser planeadas produções na China e na Rússia. A Mata foi apresentado na Suécia, Estados Unidos da América, Alemanha, Dinamarca e Portugal.

Nas Revistas Artistas Unidos:
A Mata (Revista nº 17)
A Mata - Não Contem a ninguém, mas acho que as minhas peças têm um problema - Conversa com Jesper Halle e Franzisca Aarflot (Revista nº 18)
Todos os espectáculos nos dão prazer, mas gozo real e prazer puro só um em cada cinco e A Mata foi uma dessas experiências - conversa com Pedro Carraca (Revista nº 18)
O teatro norueguês em Portugal - uma apresentação - por Idalou Larsen (Revista nº 18)

Nos Artistas Unidos:
2006
- A MATA de Jesper Halle, encenação de Franzisca Aarflot ( Teatro de Almada); BREVES TEXTOS PARA A LIBERDADE, de José Maria Vieira Mendes, Arne Lygre, Jesper Halle e Gro Dahle.
2008 - BABEL de Miguel Castro Caldas e Jesper Halle, encenação Franzisca Aarflot (Citemor-Montemuro); NORUEGA-LISBOA-NORUEGA (Fundação Calouste Gulbenkian; São Luiz Teatro Municipal).

Teatro da Politécnica

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.ticketline.sapo.pt, Fnac, Worten, C. C. Dolce Vita, El Corte Inglês, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, Lojas Viagens Abreu e INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

não me lembro de nada de arthur miller prog NÃO ME LEMBRO DE NADA
Na Antena 2, Teatro Sem Fios, 4 de Julho às 19h00 (repetição a 1 de Agosto às 21h00)
tenho trinta anos prog TENHO TRINTA ANOS, ESTOU NA CADEIA HÁ QUATRO
No Jardim de Verão da Fundação Calouste Gulbenkian, 7 de Julho às 19h00

a arte em imagens 1 A ARTE DAS IMAGENS
De janeiro de 2017 a janeiro de 2018 nos primeiros domingos de cada mês, às 15h30, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva exibe os filmes produzidos pelos Artistas Unidos sobre artistas plásticos.

Livrinhos de Teatro

capa103 FARMÁCIA DE SERVIÇO e outras peças em um acto
de Eduardo de Filippo
Livrinhos de Teatro nº 103 Artistas Unidos / Cotovia
Livraria online »»

Subscrever Newsletter