T1 de José Maria Vieira Mendes

t1_a T1 de José Maria Vieira Mendes
Com Joana Bárcia , António Simão , Pedro Carraca e Miguel Borges Cenografia e figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Encenação Jorge Silva Melo assistido por João Meireles e Américo Silva

Estreia Teatro Taborda, 23 de Outubro de 2003

O Texto está publicado nos LIVRINHOS DE TEATRO, Volume 6 dos Artistas Unidos.

Um quarto, uma rapariga, três rapazes. Quando foi? Quem se perdeu? Porquê? Tudo se passa num T1, entre rapazes e raparigas. Houve umas cervejas. Ou foi só uma cantiga do verão que acabou?

SARA Tens comido?
ALBERTO Um bocado.
SARA O quê?
ALBERTO Baratas.
SARA Baratas?
ALBERTO Baratas o quê?
SARA O quê?
ALBERTO O que é que disseste?
SARA Eu?
ALBERTO Acho que não percebi.
SARA O que é que tu disseste?
ALBERTO Estás bem?
José Maria Vieira Mendes, T1

t1_bT1 é o primeiro original de José Maria Vieira Mendes escrito para várias personagens: fecha-se assim um círculo iniciado com DOIS HOMENS, um monólogo a partir de Kafka. Parte de uma regra antiga do teatro, a unidade de lugar: uma casa, três portas, quatro personagens que entram e saem, que se encontram e se despedem, bebem e falam. Podia ser uma comédia de boulevard, ou uma daquelas noites americanas de realismo psicológico. Mas se nas RUÍNAS de Sarah Kane a guerra rebentava uma parede para entrar dentro do quarto de hotel onde um casal discutia, se na peça anterior de JMVM tremia o CHÃO de duas casas diferentes que avançavam no tempo em direcções opostas, também em T1 o palco - embora imóvel como quase todos os palcos - não podia deixar de ser um lugar instável. Sem mudanças de cena, diante dos nossos olhos, veremos como uma sala pode esconder outra, e outra, e outra ainda. Basta acreditar (não é preciso ser todo o tempo, porque o tempo também vai entrar no jogo) nas histórias daquelas personagens. Elas próprias, às vezes, até sabem que as casas se movem como o oceano e se distinguem designadamente pelo cheiro.
Acreditamos num cenário em teatro quando tomamos um buraco por uma porta, o foco por uma lua, ou uma coluna que lá está por uma floresta. E por isso é possível um mesmo palco, uma mesma área, num dia ser isto e no seguinte aquilo. Quantas vezes não o vi acontecer no espaço d'a Capital, que acompanhei por dentro durante dois anos. Foram estas duas capacidades das paredes no teatro, a proteica e a sugestiva, que serviram de arranque para escrever T1. Quis uma peça que contasse a história de um cenário que começa com uma forma e acaba com outra, mas cuja mudança não fosse dada a ver, antes fosse sugerida. Assim contém o palco o fim já no princípio. Se nos distanciarmos, apercebemo-nos da ilusão, se nos mantivermos fiéis à ficção, acreditamos. As personagens apareceram mais tarde. São quatro, ouvem a música que me ajudou a escrever, música rápida, como a história. Filhas do cenário, cresceram nos apartamentos que vemos, nunca de lá saíram, e apesar disso, parece-me, podiam ser nossos vizinhos.
José Maria Vieira Mendes

Teatro da Politécnica

rui castanho prog ARTISTA DO MÊS
Rui Castanho
dedalo prog DÉDALO
de 17 a 27 de Janeiro
9anos depois prog 9 ANOS DEPOIS a partir da Ilíada
de 7 a 17 de Fevereiro

Bilheteira

3ª a Sáb. das 17h00 até ao final do espectáculo

Preços:
Normal | 10 Euros
Descontos | estudantes | – 30 | + 65 | Grupos >10 | Protocolos | Profissionais do espectáculo | Dia do espectador (3ª) - 6 Euros

Bilhetes à venda

No Teatro da Politécnica, Reservas | 961960281, www.ticketline.sapo.pt, Fnac, Worten, C. C. Dolce Vita, El Corte Inglês, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, Lojas Viagens Abreu e INFORMAÇÕES/RESERVAS: Ligue 1820 (24 horas).

E fora da Politécnica

O GRANDE DIA DA BATALHA prog O GRANDE DIA DA BATALHA variações sobre o ALBERGUE NOCTURNO de Máximo Gorki
No Teatro Nacional D. Maria II de 18 de Janeiro a 25 de Fevereiro
a voz dos poetas prog A VOZ DOS POETAS
Na Biblioteca da Imprensa Nacional
5 de Fevereiro de 2018: Alberto de Lacerda por Jorge Silva Melo e Nuno
2 de Abril de 2018: Adolfo Casais Monteiro por Jorge Silva Melo e Luís Lucas
9 de Maio de 2018: Gomes Leal por Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg

Livrinhos de Teatro

capa114

SEM ALARDE
de Owen McCafferty
Livrinhos de Teatro nº114 Artistas Unidos/Cotovia

Livraria online »»

Subscrever Newsletter